segunda-feira, 31 de agosto de 2009

MAIS PALAVRAS? - NÃO HÁ ESPAÇO


Ser o mais novo de uma família de 6 cujos pais celebram, próximo fim de semana, 50 anos de casado, retirou-me a chance de estar em Marracuene a festejar os 10 anos desde que os integrantes da turma 99/2000 da faculdade de Direito da UEM, se juntaram pela primeira vez.

A Isa, mesmo sem merecer, copiou-me no email da retrospectiva. Fez me sentir lá e, ao mesmo tempo, accionou o alarme da notalgia de não ter lá estado. É por isso que trago esse email aqui, com meus edits, é claro.

A Foto diz tudo, não há espaço para mais palavras.

Eis o email da Isa (amiga desculpe a inconfidência):

Caros amigos

Espero que todos tenham chegado saos e salvos a casa e que tenham gostado do reencontro.

Queria partilhar as poucas fotos que tenho da festa.

Foi muito bom termos estado juntos e termos revivido alguns dos bons momentos que passamos durante o tempo de faculdade.

Lidia parabens, estava tudo muito bonito e bem organizado. A comida tambem estava muito boa.

Mutisse, que se passou? (creio que está respondido - e desculpas a todos)

Nkutumula-O Criminalista, tenho q reconhecer que conseguiste imitar muito bem os professores.

Hugo (Pensaste que enganavas o Menete, heheheehh), qual foi a cena ali no contrle, que nao percebi? hehehehe

Lidia, aquela do teu filho foi uma surpresa e tanto....

Kaina, teu filho quando crescer estas mal! Muitos pais vao ter que comprar cacadeiras, hehehehe (eu já comprei)

Os nossos juristas regionais do INSS, ha quanto tempo (espero ter dito bem).

Luis, o amigo do Eugenio (que tal o pneu? Espero que nao te tenha dado trabalho)- eu nunca tive prova de amizade como a vossa heheheh

Esperanca (e o seu esposo), Manuela, Ana Paula (Afinal? heheheheh), Célia (Unica magnifica presente), Vania (da turma 2000), Camilo, Helder, Ivo, Justo, Siuta (atrasado mas nao faltoso), Cangela, Izildo,

Helio, nao aguentei com aquela tua teoria do Whisky, heheheheh...

Stayler, e se os tipos estivessem naquela outra via e nao tivessemos tempo de parar para eu passar para o teu carro? Iamos todos tentar salvar a situacao como aconteceu no controle, ne? heheheeh.

Espero nao me ter esquecido de mais ninguem.

Epa, queria continuar a dizer mais, mas quero anexar as outras fotos.

P.S. Ja tenho saudades do proximo encontro, heheheh
Quando sera? Hugo que tal sugerires uma data?

Bjks a todos e uma excelente semana

3 comentários:

Egídio Vaz disse...

Parabéns Muthisse e a sua turma.
Só dá para ver que foi na verdade uma turma pelo menos unidas; o que fez com que se recordassem uns aos outros. Uma turma cheio de rancorosos, que não perdoam; egoístas, que escondem cópias de apontamentos ou informação sobre o paradeiro de um livro raro; uma turma cheio de intriguistas, que sempre "furam"reivindicações ou queixas sobre o maus comportamento de alguns docentes, dificilmente podem, dez anos depois, se reencontrar.
O que aconteceu convosco é prova rara de uma amizade que ficou. E, não admiro que se um dia alguém dentre vocês ocupar uma pasta ministerial de alto nível, não se coibirá de "puxar"outros, que cabalmente possam exercer cargos específicos, pois se conhecem, se confiam uns aos outros e, acima de tudo, podem sim criar um ambiente de trabalho voltado aos resultados.
A minha turma também foi mais ou menos assim. Mas manifestamente rebelde, contra a tirania dos docentes. Resultados: Apesar de ter sido a melhor turma de que há memória no departamento de história (melhores notas, estudantes muito brilhantes, etc) NINGUÉM PÔDE SER RECRUTADO PARA INTEGRAR O CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO. Mesmo assim, cá fora, rimo-nos deles (os docentes e outros intriguistas). Ninguém precisa daquele emprego! Fazemos outras coisas, igualmente melhores.

Júlio Mutisse disse...

Obrigado companheiro. A verdade é mesmo essa, fomos uma turma de certa forma unida. Tínhamos as nossas diferenças mas, como adultos e, sobretudo, pessoas sensatas, ultrapassamos isso e vamos indo.

Sinto me confortável com qualquer dos meus colegas de profissão e ex-colegas de turma, muitos deles a desenvolverem o país a partir dos pólos de desenvolvimento como juízes, procuradores, notários, advogados, administradores distritais, outra é uma brilhante cantarina etc. Muitos destes nos acolhem como irmãos quando, em serviço ou a passeio, nos deslocamos aos pontos onde se encontram; muitos destes não regateiam esforços quanto, tendo em conta a área de expertise de cada um, lhes batemos a porta pedindo humildemente ajuda; afinal não somos DONOS de todo o saber. A cada momento sabemos onde ir bater a porta pelas mais pequenas coisas.

Temos, inclusive, a lista dos colegas com contactos e indicação do ponto de trablho (precisa ser actualizada); comunicamo-nos a todo o tempo.

Somos irmãos; mesmo aqueles que me querem matar para me entregar a outros que me esfolarão perdoar-me-ão porque, afinal, somos irmãos e não fica bem matar e esfolar um irmão só porque não pôde ir ao encontro.

Nero Kalashnikov disse...

Mutisse, meu caro irmão,

Eu não te mato porque nos mataste de ansiedade e saudades... Julgávamos que fosses estar presente naquele sábado memorável...
Caro Vaz, mi ermano, felizmente a nossa turma é wonderfull... Dispenso comentários...